Oportunidades externas

O prêmio é uma iniciativa que busca promover a reflexão e propor ações nas perspectivas econômicas, científicas, tecnológicas, ambientais, sociais e de empreendedorismo para o desenvolvimento sustentável da Região Amazônica.

Instituído em 2004, recebe o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) por meio do seu Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT); do Ministério da Integração Nacional (Ml); da Ação Pró-Amazônia e das federações de indústrias da Região Amazônica; da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa); da Fundação de Tecnologia do Estado do Acre (Funtac); da Fundação Amazônia de Amparo à Estudos e Pesquisas (Fapespa), da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Pará (SECTI/PA), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea).

Tem como objetivos específicos:

- Fomentar a interação permanente entre os setores governamentais, empresariais, acadêmicos e sociais da Região Amazônica.
- Contribuir para a execução das políticas públicas na Amazônia, por meio do estímulo o desenvolvimento de projetos de abordagem integrada em regiões que apresentem altas taxas de desmatamento, bem como no entorno de grandes obras estruturantes na Amazônia.
- Intensificar e ampliar as ações que concorrem para minimizar e erradicar a extrema pobreza na Amazônia em consonância com o Plano Brasil Sem Miséria e, assim, contribuir para a diminuição das desigualdades.
- Estimular e reconhecer o desenvolvimento de projetos educacionais, com o propósito de promover iniciativas voltadas para o atendimento de áreas e populações pouco assistidas ou desassistidas em suas necessidades de educação de vida (formação) e/ou profissional (capacitação).
- Identificar, analisar, selecionar e divulgar projetos de interesse empresarial e oportunidades de investimento para potenciais financiadores, públicos e/ou privados.
- Contribuir com indivíduos e instituições cujos projetos e ações contribuam para o empoderamento das populações amazônicas.
- Agraciar pessoas e empresas que se destacam no desenvolvimento sustentável da Região Amazônica.
- Contribuir com soluções inovadoras para os assuntos relativos à água e a cooperação envolvida, bem como para as boas práticas que geram impactos no manejo sustentável da água e para a melhoria da qualidade de vida dos participantes do projeto em aspectos como: acesso à saneamento, saúde, qualidade de vida.

São várias as categorias de premiação. Na modalidade Prêmio Professor Samuel Benchimol, a Categoria Projetos de Desenvolvimento Sustentável na Região Amazônica busca contemplar projetos inovadores que resultam de estudos que consideram simultaneamente ou individualmente a conservação ambiental, a responsabilidade social ou a viabilidade econômica. A Categoria Personalidades dedicadas ao Desenvolvimento Sustentável da Região Amazônica tem como objetivo agraciar personalidades do meio empresarial e acadêmico, que se destacaram em prol do desenvolvimento sustentável na Região Amazônica.

Na modalidade Prêmio Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente, a Categoria Iniciativa de Desenvolvimento Local tem como objetivo premiar iniciativas na região, que revelem por meio de sua prática o potencial de transformação da Região Amazônica em prol do seu desenvolvimento sustentável e almeja contemplar as que trazem em seu escopo conceitos e práticas de Economia Criativa, Economia Verde e/ou Agroecologia e Produção Orgânica.

A Categoria Empresa na Amazônia tem como objetivo premiar empresas na Região Amazônica que sejam importantes no fortalecimento de cadeias produtivas dos setores que conduzam ao desenvolvimento sustentável da Amazônia, bem como ao aproveitamento comercial sustentável da biodiversidade da Região. A Categoria Micro empreendimento na Amazônia (Prêmio Florescer) homenageia dois  icroempreendedores, valorizando o caráter empreendedor do pequeno negócio de sucesso na Amazônia, desenvolvidos nos meios urbano e rural.

As premiações estão assim organizadas: para a Categoria Projetos de Desenvolvimento
Sustentável na Região Amazônica serão selecionados três projetos a serem agraciados sendo que o primeiro colocado receberá o valor de R$ 35.000,00 (trinta e cinco mil reais); o segundo  colocado, R$ 15.000,00 (quinze mil reais); e o terceiro colocado, R$ 10.000,00 (dez mil reais).

No caso de serem selecionados apenas dois projetos, caberá ao primeiro colocado R$ 45 mil, e ao segundo colocado R$ 15 mil. Havendo somente um vencedor, este receberá o valor total de R$ 60 mil. Para a Categoria Iniciativa de Desenvolvimento Local (IDL) serão selecionadas três empresas aserem agraciadas sendo que a primeira colocada receberá o valor de R$ 35.000,00 (trinta e cincomil reais); a segunda colocada, R$ 15.000,00 (quinze mil reais); e a terceira colocada, R$ 10.000,00(dez mil reais).

No caso de serem selecionadas apenas duas empresas, caberá a primeira colocadaR$ 45 mil, e a segunda colocada R$ 15 mil. Havendo somente uma empresa vencedora, esta receberá o valor total de R$ 60 mil.

As inscrições estão abertas até o dia 31 de agosto de 2017, o julgamento acontecerá no dia19 de outubro de 2017 e a outorga será no dia 24 de novembro de 2017.

Confira o regulamento com informações completas sobre as categorias e premiações  no endereço eletrônico http://www.amazonia.ibict.br/.
 


Concursos para o quadro permanente de docentes do Departamento de Química da UFSC.

  Classe Adjunto nas áreas de Química Analítica, Química Orgânica, e Ensino de Química.

   As inscrições serão realizadas no período de 07/08/2017 a 05/09/2017.

  O Edital completo pode ser consultado na página da UFSC.

http://035ddp2017.concursos.ufsc.br/edital-do-concurso/


CTC/PUC-Rio apresenta novo currículo para graduação em Ciência da Computação, que traz mudanças para os que ingressarem em 2018

 

Inscrições para o Vestibular 2018 da PUC-Rio estão abertas com 40 vagas para o curso de Ciência da Computação e mudanças atendem a demandas dos próprios alunos, que poderão optar por um currículo mais flexível entre o técnico e o acadêmico

 

O Departamento de Informática do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio) reformulou a grade curricular do curso de Ciência da Computação, depois de um ano de debates com alunos e professores. O curso ficou mais dinâmico ao oferecer uma gama de matérias eletivas e inserir novas disciplinas, permitindo com isso que os alunos tenham maior flexibilidade para optar por um viés mais técnico ou acadêmico na graduação. Paralelamente, o curso de Sistemas de Informação não abrirá novas turmas. Todas estas mudanças valem para o Vestibular PUC-Rio 2018, cujas inscrições vão até 11 de setembro, e oferece 40 vagas para Ciência da Computação.

 

Segundo os professores Noemi Rodriguez e Ivan Mathias Filho, do Departamento de Informática do CTC/PUC-Rio, o curso de Sistemas de Informação era mais alinhado à Tecnologia da Informação (TI), com um foco mais administrativo e de gerência de projetos. Já o de Ciência da Computação tinha um currículo mais acadêmico, fortemente ligado à matemática. ¿Como os alunos têm que escolher o curso na hora do vestibular ¿ ainda muito incertos sobre suas escolhas, o que é natural ¿ havia uma migração muito grande entre Sistemas da Informação e Ciência da Computação. Com essa mudança, o aluno de Ciência da Computação poderá escolher com mais segurança, a partir do quinto período, o perfil que prefere para sua formação, que pode ter um foco em técnicas avançadas de desenvolvimento de software, na teoria que fundamenta a área de Computação, ou em uma composição de assuntos que atenda a interesses pessoais¿, reforça Noemi.

 

Com a oferta de cerca de dez disciplinas eletivas (aproximadamente 45 créditos) ao novo curso de Ciência da Computação ¿ o que representa aproximadamente 25% do total de créditos obrigatórios ¿ os alunos poderão escolher seu perfil profissional. As eletivas serão divididas em segmentos, permitindo que o aluno complemente sua formação cursando algumas disciplinas escolhidas entre áreas como Ciência de Dados, Segurança da Informação, Computabilidade e Análise Numérica. Outros segmentos de eletivas trazem maior liberdade para escolher outras disciplinas de computação, como Inteligência Artificial e Computação Gráfica, mas também com disciplinas de áreas como Empreendedorismo, Matemática, Engenharia ou Administração.

 

As discussões sobre o novo currículo tiveram início em março de 2016 e, a partir daí, foram consultadas referências de outras instituições, inclusive internacionais, como a ACM (Association for Computing Machinery - primeira sociedade científica e educacional dedicada a computação), assim como o da Sociedade Brasileira de Computação, para o desenvolvimento da nova grade curricular. ¿Pegamos todas as áreas sugeridas nestes currículos de referência, que preveem flexibilidade de acordo com o perfil da instituição. Para definirmos o núcleo de obrigatórias, fizemos um questionário entre os professores para ver quais campos cada um considerava essenciais para o curso¿, revela Noemi. A formação obrigatória, que agora será de 36 disciplinas, abrange áreas como programação, lógica, matemática discreta, bancos de dados, análise de algoritmos, linguagens formais e sistemas de computação.

 

Entre as novidades, destaca-se a criação de novas disciplinas como Introdução à Computação (em que os alunos aprenderão a programar com Lua), Ciências de Dados (uma das áreas de maior destaque atualmente) e Probabilidade Computacional (com uma visão algorítmica da probabilidade). O novo currículo inclui ainda a oferta de disciplinas de ementa variável, denominadas ¿Tópicos Avançados¿, que são resultado de pesquisas avançadas que os professores possam estar desenvolvendo naquele momento.

 

Desenvolver pesquisas no Instituto Tecgraf é uma das oportunidades que a PUC-Rio oferece aos alunos de Ciência da Computação

 

Outra vantagem do novo currículo será que, no quinto período, os estudantes cursarão uma disciplina integradora ¿Projeto e Construção de Sistemas¿, de modo a pôr em prática os conhecimentos adquiridos em disciplinas anteriores. E, no sexto, todos participarão de um estágio supervisionado em laboratórios de ponta do Departamento de Informática que será o foco central do período. O objetivo é o desenvolvimento acadêmico com acompanhamento semanal dos professores. ¿Queremos oferecer aos alunos uma oportunidade de fazer algo relevante na área de computação. Nossos laboratórios temáticos têm projetos de ponta em desenvolvimento de tecnologia e, com o acompanhamento de um professor e reuniões semanais, os alunos poderão relatar suas dificuldades, fazer a transição do acadêmico para o prático de fato e trabalhar em conjunto com outros colegas¿, ressalta Noemi.

 

Os alunos de graduação que já concluíram 60% dos créditos poderão ainda cursar matérias do mestrado, que poderão ser contabilizadas futuramente na pós-graduação, permitindo que o mestrado possa ser concluído em um espaço de tempo mais curto.

 

¿Estou inclinada a migrar para Ciência da Computação, pois posso continuar trabalhando com programação, que era o forte de Sistemas da Informação, graças às eletivas que poderei escolher com o novo currículo. Essa liberdade para definir a especialidade que quero seguir me deixa mais segura e faz toda a diferença para competir e se destacar no mercado de trabalho¿, reforça Ingrid Coda, 21 anos, aluna do sexto período de Sistemas de Informação.

 

 

Informações para a imprensa:

APPROACH COMUNICAÇÃO

Assessoria de Imprensa do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio)

Maria Estrella (maria.estrella@approach.com.br)

Tels: (21) 9-9301-4332 / (21) 3527-1303, ramal 43 (CTC/PUC-Rio)

(21) 3461-4616, ramais 147 e 164 (Approach Comunicação)

Bianca Sallaberry (bianca.gomes@approach.com.br)

www.approach.com.br