Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tiago Ancelmo de Carvalho Pires de Oliveira

Engenharias

Engenharia Civil
  • argamassas de alta resistência ao fogo para proteção de paredes de alvenaria
  • Incêndios tem provocado perdas inestimáveis pelo mundo, isto é, prejuízos financeiros, culturais e perdas de vidas humanas. No triênio 2011-2013, o Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco registrou 1600 incêndios/ano em edificações no Estado (CORRÊA et al., 2015). Incêndios recentes na Boate Kiss (2013), no edifício, em São Paulo, Wilton Paes de Almeida (2018) e no Museu Nacional (2018) demonstram a necessidade de um melhor desempenho em situação de incêndios das edificações brasileiras. Paredes de alvenaria, tem papel fundamental na segurança contra incêndio das edificações, sejam para garantir a compartimentação horizontal da edificação, garantindo o isolamento térmico e estanqueidade e, assim, evitando a propagação do fogo para ambientes adjacentes; ou para garantir a resistência ao fogo da edificação, no caso destas serem em alvenaria estrutural (NBR 15575, 2013). Destaca-se que esta solução é comumente adotada para habitações populares na Região Metropolitana do Recife assim como em outras regiões do Brasil. Infelizmente, ainda hoje no Brasil não há normas que orientem projetistas e construtores com especificações para se obter um melhor desempenho ao fogo de paredes de alvenaria e, conseqüentemente, edificações mais seguras no que diz respeito à incêndios. A solução mais trivial adotada pela indústria da construção neste cenário, consiste na proteção passiva dos elementos com a aplicação de revestimentos de argamassa, onde associa-se uma espessura mínima de recobrimento a resistência ao fogo desejada. Embora simples, a solução ainda é pouco utilizada pois, geralmente, induz a espessuras excessivas, de difícil execução e que aumentam o tempo e os custos da construção. Embora escassas na literatura, soluções inovadoras como a proposta por SUTCU (2015), sugerem a melhoria de características térmicas de materiais da construção através da adição de compostos isolantes, como, por exemplo, a vermiculita expandida. No entanto, esta adição altera diversas outras propriedades importantes para a argamassa, tais como, resistência mecânica, absorção de água, porosidade, densidade, entre outras. Dessa forma, torna-se necessário determinar um nível ótimo de adição que não comprometa as demais funções da argamassa. Por fim, os próprios métodos experimentais de verificação da resistência ao fogo de paredes são considerados extremamente conservativos, induzindo a soluções anti-econômicas (BABRAUSKAS, 2009). Pesquisas, tais como, NAHHAS et al. (2007) e NGUYEN et al. (2009, 2012 e 2014) mostram que vários parâmetros ainda precisam ser melhor entendidos para o desenvolvimento de um projeto eficiente de paredes em situação de incêndio. Por exemplo, a influência da rigidez da estrutura circundante no comportamento das paredes em situação de incêndio ainda não foi abordado e tem se mostrado um fator relevante para outros tipos de elementos como mostrado em Pires et al. (2012). Diante destas justificativas, este projeto de pesquisa propõe uma extensiva pesquisa sobre o comportamento em situação de incêndio de paredes de alvenaria, com proteção de argamassas resistentes ao fogo. Destaca-se como maiores inovações desta pesquisa o seguinte: (a) a análise e desenvolvimento de argamassas resistentes ao fogo, obtidas com a adição de vermiculita expandida; (b) a avaliação de seu desempenho aplicado a paredes de alvenaria através de testes de resistência ao fogo considerando variáveis tais como: nível de restrição da estrutura circundante, nível de carga, espessura do revestimento de argamassa e taxa de adição de vermiculita expandida;
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Antônio de Oliveira Mendes

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • desenvolvimento de uma plataforma de produção de glicoproteínas por expressão heteróloga de sialiltransferase e proteínas de interesse biotecnoloógico em leishmania tarentolae
  • Embora glicoproteínas e proteínas oligoméricas apresentem elevado potencial biotecnológico na terapêutica, indústria de alimentos e outras, sua produção em alta escala é comprometida. Os sistemas que se baseiam em organismos geneticamente modificados mais favoráveis para cultivo em escala industrial são bactérias e leveduras. Porém, bactérias não são capazes de realizar glicosilação e leveduras podem produzem perfil de glicosilação diferente de eucariotos superiores. Ambas os sistemas de expressão também falham na formação de proteínas oligoméricas com padrão de mamíferos. Assim as glicoproteínas e proteínas oligoméricas de mamíferos produzidos neste organismo podem falham em atividade biológica e estabilidade. Células de insetos e de mamíferos produzem proteínas com correto perfil de glicosilação e dobramento, porém ambas possuem dificuldade de cultivo em grande escala, longo tempo de cultivo necessário e baixa produtividade de proteínas. Uma boa opção seria a utilização Leishmania tarentolae, um eucarioto apatogênico para humanos quer requer laboratório de segurança NB1 igual a bactérias e leveduras para manipulação, passível de cultivo em larga escala e alto rendimento de produção de proteínas. Além disso, o processo de glicosilação e formação de pontes dissulfeto em L. tarentolae são mais semelhantes ao padrão de mamíferos. Nesta perspectiva, este projete propõe utilização de uma linhagen de L. tarentolae expressando a enzima sialiltransferase humana e otimizadas para produção de glicoproteínas com perfil de glicídios idênticos a mamíferos e proteínas oligoméricas com correto dobramento. Esta linhagem foi previamente desenvolvida e validada pelo grupo preponente e nesta proposta objetiva-se a utilização desta linhagem para produção de proteínas terapêuticas interferon-beta, CNF e anticorpo anti-CD20 como uma alternativa de custo reduzido comparado aos métodos convencias de purificação e produção. Também serão realizadas validações das atividades destes alvos.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Campos Pereira

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • introdução à edição gênica via crispr
  • Vide projeto anexo
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/12/2019-31/12/2020
Foto de perfil

Tiago da Silva Medina

Ciências Biológicas

Imunologia
  • impacto de inibidores epigenéticos na modulação in vitro de células t cd8 humanas
  • Células T CD8 possuem como característica principal a capacidade de eliminar células alvo que apresentem antígenos estranhos. Este processo é fundamental para a eliminação antigênica e para o reestabelecimento da homeostase do organismo. De um modo geral, este processo é extremamente eficiente em infecções agudas, em que há ativação e proliferação de clones específicos, eliminação antigênica, contração da resposta de linfócitos e indução de memória imunológica. Entretanto, a persistência antigênica em casos de infecções virais crônicas e cânceres resulta em ativação constante do receptor de células T (TCR). A depender da repetitividade, duração e magnitude da ativação do TCR, as células T CD8 podem adquirir um perfil de exaustão celular. A ativação excessiva e sustentada está intrinsicamente relacionada com a indução da exaustão de linfócitos T. Como consequência, os linfócitos tornam-se funcionalmente ineficazes e incapazes de eliminar infecções virais crônicas ou tumores. Neste sentido, a identificação e a caracterização de drogas capazes de modular positivamente a resposta de linfócitos T CD8 são essenciais para o desenvolvimento de estratégias terapêuticas em cenários complexos como o câncer. Neste projeto, nós avaliaremos a atividade modulatória de diversos inibidores epigenéticos sobre a função efetora de linfócitos T CD8 humanos. Como sustentáculo da nossa hipótese, mostramos recentemente que moduladores epigenéticos influenciam a atividade de linfócitos T CD4 murinos e humanos, alguns favorecendo a resposta regulatória, com o aumento funcional de células T reguladoras, e outros favorecendo a resposta pró-inflamatória, com indução aumentada de mediadores pró-inflamatórios, como IFN-gama e TNF-alfa. Lançamos, portanto, a hipótese de que inibidores epigenéticos possam atuar como reguladores da resposta de linfócitos T CD8 humanos. Acreditamos que os inibidores epigenéticos que serão testados neste projeto têm um enorme potencial para a regulação da resposta efetora de linfócitos T CD8 humanos e poderão ser utilizados como estratégia terapêutica para o controle tumoral.
  • Fundação Antônio Prudente - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Fiorini da Silva

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • uma estrutura laboratorial para estudos de novos desenvolvimentos em detectores gasosos micro-estruturados
  • O Brasil, por meio de colaborações internacionais, tem participado do desenvolvimento de novos detectores e de sistemas de aquisição para atender às novas demandas existentes no campo da física de altas energias. Este projeto se insere neste contexto, e pretende ampliar a participação brasileira por meio da formação de um polo de desenvolvimento e testes de detectores gasosos micro estruturados. A criação da estrutura laboratorial proposta nesse projeto será voltada para o estudo de meios de suprimir o refluxo de íons nos detectores gasosos e também de seus processos de envelhecimento, que levam a perdas de eficiência e de performance. Os dois problemas são relacionados com novas demandas a serem atendidas para o uso de detectores gasosos micro-estruturados nos próximos upgrades nos detectores do LHC e, no futuro, em experimentos no ILC. Desenvolver-se-á uma estrutura laboratorial para testes de detectores gasosos micro-estruturados utilizando feixes de íons de baixa energia. Mesmo sendo voltados à detecção de partículas de altas energias, íons de baixa energia produzem muitas ionizações dentro dos detectores gasosos tornando-os mais adequados para simulações de condições de estresse do detector. A estrutura será instalada no Laboratório de Análises de Materiais com Feixes Iônicos (LAMFI). Este laboratório possui um acelerador de íons capaz de gerar feixes de prótons com energias entre 0,4 e 3,4 MeV, com acurácia melhor que 0.5%. Assim, é possível sintonizar a energia do feixe do LAMFI para se produzir ionizações em profundidades definidas no volume gasoso do detector. A intenção por trás desses ensaios será a de se estudar a relação entre a razão de refluxo de íons positivos em função da profundidade onde são geradas as ionizações primárias. Com isso, pretende-se avaliar quais profundidades são mais suscetíveis à geração de refluxo e com isso se determinar as regiões passíveis de otimizações. Com o controle preciso do fluxo total de íons para dentro do detector, será possível realizar estudos em altas taxas de eventos com a intenção da determinação de limiares de distorção dos campos elétricos e consequente alteração de ganho, além de estudos de limiares de faiscamento. Desta forma, este projeto visa integrar a colaboração RD51 dentro do CERN como uma estrutura laboratorial de testes e de caracterizações de detectores gasosos micro-estruturados, usando feixes de íons de baixa energia. Ademais, espera-se com esta estrutura laboratorial incentivar o intercâmbio de estudantes e de cientistas por meio da atividade laboratorial a ser divulgada dentro da colaboração RD51. Sobre o uso dos recursos: Os recursos serão destinados ao financiamento da construção de um sistema de controle de fluxo dos gases dentro do detector. O sistema será móvel e expansível, permitindo acompanhar as demandas futuras no desenvolvimento de aplicações não restritas ao laboratório.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Gomes de Andrade

Ciências Biológicas

Genética
  • ritmo circadiano, tomada de decisão e perfil transcriptômico do córtex pré-frontal de camundongos expostos ao aumento gradual de fotoperíodo.
  • Suicídio é um sério problema de saúde pública mundial. A cada ano, cerca de 800.000 pessoas cometem suicídio e há um número ainda maior de tentativas. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa morre por suicídio que já é considerada a 2ª causa de morte no mundo em jovens entre 15-29 anos. Neste sentido, a OMS tem como alta prioridade a prevenção do suicídio. Curiosamente, o comportamento suicida apresenta um padrão sazonal, com maior incidência na primavera/verão, independente do hemisfério. Além disto, a taxa de suicídio aumenta em regiões mais distantes da linha do equador. Identificamos este mesmo padrão em um conjunto de 61.824 suicídios registrados ao longo de 6 anos em todo o território brasileiro. O padrão sazonal é detectado apenas nas regiões mais ao sul do país, onde também as taxas são mais elevadas. É esperado que as taxas de suicídio sejam ainda maiores em regiões mais ao sul do continente. De fato, no Brasil, a estimativa da taxa de mortalidade em 2017 foi de 6.04 suicídios por 100mil habitantes. Segundo a OMS, a taxa de suicídio na Argentina foi de 14.2 em 2015, bem acima da média da região (9.2). Esta variação sazonal e o efeito da latitude podem ser decorrentes de uma modulação ambiental do ritmo circadiano em indivíduos com vulnerabilidade. Ritmos circadianos possuem periodicidade de aproximadamente 24h e são gerados endogenamente por um conjunto de genes “relógio” capazes de manter alças transcricionais-traducionais, onde fatores de transcrição reprimem seus próprios ativadores. Este sistema é capaz de se auto-sustentar e, ao mesmo tempo, ativar ciclicamente genes controlados pelo relógio que participam em diversas funções. Estima-se que ao menos 50% do transcriptoma é expresso circadianamente, considerando diversos tecidos. Apesar de endógenos, os ritmos circadianos são modulados por fatores ambientais, principalmente a luz. Os estímulos nervosos induzidos pela luz na retina são transmitidos ao Núcleo Supraquiasmático (NSQ) do hipotálamo, considerado o marcapasso central, sincronizador sistêmico dos diversos osciladores periféricos no organismo, incluindo diversas estruturas cerebrais. Assim, a luz induz a expressão de genes envolvidos com o controle de ritmos circadianos no NSQ, sincronizando os diversos ritmos endógenos ao ambiente. Consequentemente, o regime de exposição à luz interfere nos ritmos biológicos, tendo sido associado a distúrbios metabólicos e comportamentais. Por outro lado, a modulação do ritmo circadiano pela luz tem sido utilizada como tratamento de pacientes com transtorno afetivo sazonal, cuja eficácia pode ser comparada à dos medicamentos antidepressivos e “dark therapy” com filtros para luz azul, tem sido utilizada mais recentemente para transtorno bipolar. Assim, as diferenças de fotoperíodo às quais os indivíduos são expostos em diferentes latitudes podem ser a causa do efeito sazonal e dependente de região observado para o comportamento suicida, através da interferência nos ritmos circadianos no cérebro. Outras evidências do envolvimento de ritmos circadianos no suicídio incluem: uma associação significativa entre vespertinidade e suicidalidade; um polimorfismo no gene clock que modula a tentativa e ideação suicida; indivíduos que tentam suicídio tendem a tomar decisões mais arriscadas nos testes avaliativos e a tomada de decisão, comprometida no paciente de risco, sofre influência direta do ritmo circadiano. Portanto, conhecer as vias de interação entre os ritmos circadianos, fatores ambientais sazonais e o comportamento suicida é relevante para a determinação de susceptibilidade, para o estabelecimento de marcadores biológicos de prognóstico ou mesmo para o desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas preventivas. Para que possamos avançar na investigação desses mecanismos neurobiológicos, é importante desenvolver modelos que permitam explorar os possíveis mecanismos subjacentes ao fenômeno observado. Dados preliminares do nosso grupo com camundongos C57J/BL6 expostos à incrementos graduais de fotoperíodo análogos às condições observadas em estudos epidemiológicos, mostram alterações na expressão circadiana do gene relógio Per2 e de Bdnf em estriado e, de forma mais acentuada, em córtex pré-frontal medial (cpfm). Estas alterações poderiam comprometer o funcionamento destas estruturas previamente associadas ao comportamento suicida. De fato, também observamos uma diminuição da imobilidade em teste de nado forçado, indicando um efeito anti-depressivo, considerado um potencial fator de risco para o suicídio. Esta alteração na atividade ocorreu sem comprometer parâmetros importantes do ritmo de atividade e repouso dos animais, que demonstraram aparente sincronização ao incremento de fotoperíodo. Nessa pesquisa, propomos utilizar essa estratégia para: a. avaliar se o ritmo de atividade e repouso sofre sincronização ou mascaramento; b. avaliar o perfil transcriptômico do cpfm nessas condições através de RNAseq; c. avaliar a dinâmica temporal de expressão de genes relógio e outros alvos detectados no RNAseq; d. avaliar a tomada de decisão em teste de 5-Choice Serial Reaction Task (5-CSRT). Metas esperadas da pesquisa incluem: a. Esclarecer, através do teste de mascaramento, se as alterações no ritmo de atividade e repouso são decorrentes da modulação direta do NSQ; b. identificar vias e genes alterados em cpfm; c. determinar como o relógio molecular é afetado em cpmf; d. determinar se a tomada de decisão é comprometida no modelo; d. Validar um aparato e software para 5-CSRT desenvolvido localmente (in home).
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Gräf

Ciências Biológicas

Genética
  • epidemiologia molecular do hiv-1 no brasil e estudo de redes de transmissão pela análise de sequências nucleotídicas provenientes da rede nacional de genotipagem (renageno)
  • Desde o advento dos antirretrovirais, em meados dos anos 1990, a epidemia de aids no mundo vem apresentando um número a cada vez menor de mortes e novas infecções por ano. Este cenário otimista fez com que a UNAIDS traçasse a ambiciosa meta de acabar com a epidemia até 2030. Para tanto, a organização delineou o plano 90-90-90 que tem o objetivo de diagnosticar 90% das pessoas infectadas pelo HIV, tratar 90% das pessoas diagnosticadas e suprimir a carga viral a um nível indetectável de 90% das pessoas tratadas. Seguindo este plano o número de novas infecções por HIV cairia para menos de 500 mil por ano em 2030 e a epidemia de aids não seria mais classificada como uma ameaça mundial de saúde pública. Entretanto, nos últimos anos, foi observada uma abrupta diminuição da queda de incidência do HIV no mundo, fazendo com que muitos governos e organizações iniciassem uma reavaliação de suas estratégias de combate ao vírus. O Brasil é considerado um modelo entre países de média e baixa renda quando o assunto é o combate à epidemia de aids, mesmo assim, a incidência de novos casos já não diminui há mais de 20 anos. Além disso, dados recentes acendem um sinal de alerta para a escalada de novas infecções em homens jovens e HSH das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, assim como na população geral das regiões Norte e Nordeste. Essa aparente reemergência do HIV no Brasil exige com que intensifiquemos a vigilância epidemiológica sob este vírus. Entretanto, em um país tão extenso territorialmente e de tantas diferenças sociais, entender as nuances da epidemia de aids e identificar grupos populacionais onde ela pode estar crescendo, exige grandes esforços de amostragens. Neste sentido, o banco de dados da Rede Nacional de Genotipagem (RENAGENO) pode ser de grande valia para o estudo da epidemiologia do HIV no Brasil. Recentemente, o Ministério da Saúde nos concedeu acesso a este banco, que contem dados demográficos, clínicos e sequências genômicas virais de todos os indivíduos que passaram por um evento de falha terapêutica desde 2002 no Brasil. O estudo de sequências genômicas do HIV não é apenas importante no monitoramento de mutações de resistência aos antirretrovirais. Esse tipo de análise também tem se mostrado te extrema valia no entendimento da dinâmica de transmissão viral. O HIV possui uma taxa mutacional tão rápida que faz com que cada indivíduo possua uma população viral única circulando em seu organismo. Esta característica, provido uma amostragem minimamente densa da população, possibilita com que se reconstrua a história de transmissões entre os indivíduos amostrados e se identifique as chamadas redes de transmissão viral. Modernas técnicas de filogenia, acopladas com modelagem epidemiológica (área também conhecida como filodinâmica), podem ser, então, aplicadas às redes de transmissão viral para se estimar parâmetros epidemiológicos, como taxa reprodutiva básica e incidência. Por fim, juntando-se os dados demográficos dos indivíduos que compõem as redes, com os parâmetros epidemiológicos inferidos pela filodinâmica, pode-se identificar grupos populacionais onde o HIV incide com mais força. Devido a abrangência do banco de dados da RENAGENO, também poderemos estudar diferenças através do espaço geográfico brasileiro e, ainda, se características intrínsecas das diversas linhagens do HIV-1 circulando em território nacional, impactam na dinâmica de transmissão. Concluindo, acreditamos que a análise das sequências genômicas e dos dados demográficas do banco da RENAGENO, através de métodos em filodinâmica, poderão ajudar a identificar grupos populacionais de maior importância na disseminação do HIV no Brasil. Finalmente, políticas de prevenção poderiam ser melhor projetadas e novas intervenções, como por exemplo o tratamento profilático pré-exposição (PrEP), poderiam ser direcionadas, tornando-as mais efetivas em barrar novas infecções.
  • Fundação Oswaldo Cruz - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Henrique Machado

Engenharias

Engenharia Mecânica
  • aplicação de um modelo teórico-experimental para a interação rotor-mancais-estrutura considerando desgaste nos mancais
  • O estudo de máquinas rotativas desperta o interesse de muitos pesquisadores da área de máquinas e estruturas, em vista da quantidade significativa de fenômenos típicos que ocorrem durante sua operação. Esse tipo de sistema rotativo representa a maior e mais importante classe de maquinário, utilizada nas mais diversas áreas da engenharia mecânica. Nesse contexto, a obtenção de um modelo robusto e eficiente para a análise de máquinas rotativas, especialmente em relação aos componentes de interface entre partes fixas e móveis, como se configuram as estruturas de fundação e os mancais hidrodinâmicos, representam o foco principal deste projeto de pesquisa. Além disso, falhas associadas a mancais hidrodinâmicos estão entre as causas principais de paradas inesperadas nesse tipo de sistema. Dentre as falhas mais comuns em mancais hidrodinâmicos, o desgaste da parede do mancal é uma das mais difíceis de se evitar, uma vez que, na partida e na parada do sistema, há contato metal/metal entre o eixo e a parede do mancal. Neste projeto, a estrutura de fundação será analisada experimentalmente, e, através da análise modal das funções resposta em frequência (FRF) serão calculados seus parâmetros modais. Estes parâmetros serão refinados através métodos de otimização, uma vez que as técnicas de análise modal são suscetíveis a ruídos gerados nas medições experimentais da estrutura. O modelo modal da fundação será integrado ao sistema rotor-mancais através do método das coordenadas mistas, para o cálculo da resposta do sistema completo. Com relação aos mancais hidrodinâmicos, será utilizada uma abordagem numérica para o cálculo das forças hidrodinâmicas não lineares (avaliando condições para os mancais ‘saudáveis’ e desgastados), através da solução da Equação de Reynolds. O procedimento para a solução numérica da Equação de Reynolds a ser utilizado neste projeto emprega o Método dos Volumes Finitos (FVM). Para a modelagem do rotor será utilizado o clássico Método dos Elementos Finitos. No processo de implementação e simulação dos modelos serão utilizados os softwares FORTRAN® e MATLAB®, softwares voltados para aplicações de mecânica computacional e engenharia assistida por computador. Os resultados obtidos com a modelagem proposta serão verificados experimentalmente em um banco de testes.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Jessé Souza de Lima

Ciências Humanas

Psicologia
  • fatores explicativos do apoio a redução da maioridade penal no brasil
  • Diante da escalada da violência no Brasil e no aumento da percepção de que o envolvimento de adolescentes com o consumo e tráfico de drogas é um dos fatores decisivos para o aumento da violência, o assunto da diminuição da maioridade penal tem sido recorrente na pauta política. Pesquisas de levantamento têm indicado um forte suporte da população à redução da maioridade penal, com os índices de aprovação a essa medida aumentando de 75% em 2013 para 87% em 2015. No entanto, falham em prover explicações sobre quais variáveis sustentam o suporte a redução da maioridade penal. Nesse sentido, o presente projeto visa traçar um panorama do posicionamento frente a redução da maioridade penal no Brasil, objetivando compreender o apoio a redução da maioridade penal a partir de uma série de variáveis relacionadas tanto as características do menor infrator (a exemplo da percepção de maturidade psicossocial, atribuição de estereótipos, cor da pele e classe social), quanto as características dos respondentes/julgadores (a exemplo do preconceito racial e de classe, orientação a dominância social) e a fatores contextuais (a exemplo da prevalência e gravidade dos crimes cometidos por jovens).
  • Universidade de Fortaleza - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago José de Oliveira

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • dinâmica de interfaces, crescimento de filmes finos e nanoestruturas
  • Neste projeto pretendemos estudar alguns problemas importantes e contemporâneos relacionados ao crescimento de filmes finos e nanoestruturas, como, por exemplo, determinar as distribuições de tamanhos de nanoilhas nucleadas em superfícies durante o crescimento homoepitaxial, focando nos efeitos da mobilidade das ilhas nas distribuições. Devemos estudar também tais distribuições no crescimento heteroepitaxial de ligas bimetálicas. Pretendemos desenvolver uma modelagem realista para o coarsening de nanoilhas na presença de aditivos que alteram o transporte de massa na superfície e também para a deposição de materiais tendo um (nano)tubo como substrato. De um ponto de vista mais fundamental, nós devemos investigar algumas propriedades da dinâmica de crescimento de interfaces, como a dependência em suas propriedades estatísticas com a geometria do sistema, bem como a universalidade de distribuições de alturas em modelos de crescimento competitivos. Todos esses estudos serão baseados principalmente em modelagem computacional, demandando uma grande infraestrutura computacional para a realização das simulações, o que justifica os recursos solicitados.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022